Antenor Leal

"Por que um livro? Sempre pensei em escrever um. Nasci numa casa cercado de livros. De medicina, romances, história. Meu pai era um intelectual. Publicou seu último livro aos 94 anos."

Antenor Barros Leal é formado em Direito, mas sempre atuou na atividade industrial, especializando-se nas áreas de alimentos e industrialização. Foi Presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), Presidente do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE/RIO), Vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Presidente da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), Presidente do Sindicato dos Moinhos de Trigo dos Estados do Rio de Janeiro, Espirito Santo, Minas Gerais e Goiás e membro do Conselho de Curadores da Fundação do Câncer. Condecorado com a Medalha de Honra das Três Forças, já realizou inúmeras palestras no Brasil, Canadá, Estados Unidos, Argentina, Inglaterra, Peru, Chile e Alemanha. Autor de inúmeros artigos nos principais jornais do país, Antenor Leal sempre teve um olhar atento e observador, com o qual foi construindo um universo de ideias e pensamentos ao longo de suas viagens pelo mundo, que agora compartilha em livros.

Nascimento 1940
Naturalidade Ceará
Gênero Literatura, Contos
Idioma Português

Obras do autor

Contos e Descontos

Os “Contos” são calendários de emoção, viagens imaginárias que o próprio autor empreende e que toma emprestado de outros. Os “Descontos” são artigos, traduções dos pensamentos sobre o dia-a-dia, os anos vividos… uma viagem no tempo enquanto estende um convite ao leitor para se encontrar nesse tempo.

Lançamento

Será que foi assim?

Será que foi assim é um tentativa de reescrever a história, com estórias, a partir de uma viagem do imaginário com fatos desenhados pelo próprio autor. Sua pretensão é a de poder criar um mundo próprio, só seu. Nessa viagem, imaginou personagens, diálogos, futuros, passados e presentes. Qual a verdade? O que realmente aconteceu? O publicado? O highly classified? Na verdade, mesmo, a verdadeira versão é a de Antenor Leal. E a que o leitor imaginar. Mas juntos, convida o autor.