Find Books For All Ages

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur cing elit. Suspe ndisse suscipit sagittis leo sit met condimentum estibulum issim Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur cing elit scipit sagittis leo sit met condi.

PURCHASE

Cook book
of the month

PURCHASE

Henry
& the good dog

PURCHASE

Feature book
of the month

PURCHASE

Best seller
Books

PURCHASE

PEOPLE'S CHOICE

Nenhum produto foi encontrado para a sua seleção.

WHAT'S HOT IN AUGUST

Get -30% purchase on

order over $299.00

IN AUGUST

Best Author of The Month

” My books are marked down because most of them are marked with a on the edge by publishers.”

Savanna Walker

Our Newest Arrivals

Lançamento

Coisas e não coisas

Coisas e não coisas é uma obra composta por 101 poemas, reunidos em 7 capítulos temáticos, todos permeados pela sensibilidade e escrita afiada de Joaquim Celso Freire, levando o leitor a um mundo vívido de percepções e reflexões, deflagradas pela centelha concisa de seus versos. Os poemas, em sua grande maioria, foram gestados ao longo da pandemia, envoltos em pensamentos sobre contradições políticas, as relações humanas, a natureza e o desgaste desses ambientes.

Lançamento

Trilogia da Aldeia

Toda cidade do interior tem seus causos e personagens. São tantas histórias que multiplicariam nossa literatura se transformadas em livros. Matutos, cabocos, coronéis, prostitutas (ou mulheres da vida), o bom de bola, o perna de pau, o valentão, o frouxo, os políticos, etc. Trilogia da Aldeia é a transformação do tempo em palavra, organizada em suas nuances, concordâncias, metáforas e discordâncias para defender na linha de frente sua Aldeia, contar histórias de sua gente. Como diz o autor Zé Miranda, “muito antes de respirar literatura, minha Aldeia já era meu oxigênio”. O leitor está convidado a mergulhar nessas incontáveis Minas Gerais, descobrir um pouco desse pedaço de chão-Brasil, a “Aldeia” Joaíma incrustada no coração do vale do Jequitinhonha.

Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética II

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Lançamento

Jequitinhonha – Antologia Poética III

A manhã chega ao Vale do Jequitinhonha, nas asas da poesia. E a terra acorda. E se ouve os primeiros murmúrios, canoas que descem o rio nas palavras dos homens. Dos quatro cantos do Vale, cinco cantos se apresentam. Cinco poetas cantam nas páginas de “Jequitinhonha – Antologia Poética” a cumplicidade que o amor reserva aos arautos do seu tempo. A terra envolvendo os poemas em mantos de sonho. A palavra mantendo seu vínculo ancestral com o destino obscuro das coisas do mundo. Sobretudo, mudá-las. O pacto do poeta.

Entende-se “Jequitinhonha – Antologia Poética” como se do livro emergisse o Vale, naufragado no escuro esquecimento da miséria. Entende-se o canto obstinado dos poetas de uma terra afligida em dores. Como se essas dores fossem um parto: o parto da poesia. Parto de um livro. Parto da resistência digna de homens que vivem a sonhar continuamente seu tempo.

Será que foi assim?

Será que foi assim é um tentativa de reescrever a história, com estórias, a partir de uma viagem do imaginário com fatos desenhados pelo próprio autor. Sua pretensão é a de poder criar um mundo próprio, só seu. Nessa viagem, imaginou personagens, diálogos, futuros, passados e presentes. Qual a verdade? O que realmente aconteceu? O publicado? O highly classified? Na verdade, mesmo, a verdadeira versão é a de Antenor Leal. E a que o leitor imaginar. Mas juntos, convida o autor.

O mandonismo mágico do sertão

A crença no poder sobrenatural do corpo fechado é um sintoma da política violenta que era praticada nos sertões da Bahia e de Minas Gerais durante o Segundo império e a Primeira república, sobretudo quando os portadores da invulnerabilidade a toda sorte de armas eram autoridades.

Neste trabalho, agraciado com a primeira colocação no Prêmio Sílvio Romero 2014 de pesquisa sobre o folclore e cultura popular, o historiador Luís Santiago, autor de trabalhos consagrados à história do Vale do Jequitinhonha, faz uma leitura da cultura política sertaneja a partir de elementos antropológicos.

ON ORDER OVER $100

Get Extra
Sale -25%

UPCOMING EVENTS

The Bookshop Events

Newsletter to get in touch

Stay In Touch with Our Updates